ofertas

Calvície feminina: entenda as causas

|
Já ouviu falar que, quando estamos naquele “bad hair day”, parece que nada mais vai bem? A relação das mulheres com os cabelos é de tanta paixão que passar um dia no salão de beleza eleva o humor de qualquer uma! Por isso, não tem nada pior do que perceber que os fios estão fracos e a queda já não é algo normal… Abusar das químicas pode ser exatamente o problema, pois contribui para a calvície feminina. Portanto, aposte mais na naturalidade e aprenda como fortalecer os fios: as dermatologistas Vanessa Penteado e Miriam Sabino ensinam você!




Casos e casos
Vanessa Penteado explica a origem da queda e as soluções para cada situação. 
- Calvície hereditária: “procure saber o histórico genético da sua família pelo lado materno ou paterno. Pergunte se a sua avó ou sua mãe já sofreram desse problema. E fique atenta à perda excessiva de fios de cabelo”.
- Estresse: “cirurgias ou doenças crônicas podem causar um estresse no organismo, ocasionando a queda dos cabelos. O estresse psíquico também pode acarretar essa perda. Caso essas condições sejam passageiras, como no caso das cirurgias, a queda se reverte espontaneamente”.
- Pílulas anticoncepcionais: “se você começou a tomar o medicamento e notou a queda, informe o seu ginecologista. A interrupção do uso das pílulas também pode desencadear a queda dos cabelos entre dois e três meses após o término”.
- Dieta pobre em proteínas: “as dietas não balanceadas produzem uma ingestão inadequada da quantidade de proteínas. O corpo passa a economizar esses nutrientes, induzindo o cabelo a passar para a fase de repouso, que é a fase onde ocorre uma queda grande dos fios. Essa perda de cabelo pode ser evitada por meio de uma dieta proporcional e com mais proteínas”.
Quando é sério?
• “Uma queda de cabelos é considerada normal quando percebemos a perda de mais de cem fios diariamente ou, quando num teste de puxamento, se desprendem somente cinco fios do couro cabeludo”, explica Miriam.
• Apesar de o problema atingir muitas mulheres, em poucos casos a alopécia (a famosa queda) torna-se um quadro de calvície total.
• Mas, como não é impossível, é importante que você esteja atenta a alterações hormonais, como a síndrome do ovário policístico, que podem elevar o grau da calvície feminina.
• Também não descuide desses sinais: travesseiro cheio de fios, bem como ralos e escova, e tufos de cabelo pelo chão pedem avaliação profissional.

Química e megahair na berlinda
• “Os tratamentos químicos devem ser evitados ou devem ser feitos considerando a resistência dos fios. Isso pode ser testado no cabeleireiro aplicando-se pequena quantidade do produto em uma mecha dos fios da parte de baixo do couro cabeludo”, orienta.
• Só para exemplificar, a aplicação de megahair acaba exigindo demais da raiz do cabelo, que sofre uma forte tração.
• Portanto, opte por manter os fios de maneira natural. No caso da tintura, experimente utilizar produtos menos agressivos e sem amônia.

Algum grau de calvície é diagnosticado em, aproximadamente, 25% das mulheres entre 25 e 40 anos e em 50% das mulheres acima dos 40 anos. As principais causas são mudanças hormonais, genética e distúrbios, como a anemia e o hipotireoidismo.

Fonte:Revista malu

Nenhum comentário:

Postar um comentário